Inteligência emocional: quais seus benefícios para um profissional?

Diante de um mercado de trabalho altamente competitivo, o conhecimento técnico e a experiência já não garantem uma carreira de sucesso. Além destas habilidades, o mundo corporativo exige também competências comportamentais bem desenvolvidas. Assim, os profissionais precisam compreender a importância de saber administrar as próprias emoções, de forma produtiva e saudável. Aspectos relacionados à maturidade, ao autocontrole, empatia e liderança são apenas alguns exemplos de posturas necessárias e, neste contexto, a inteligência emocional pode ser uma grande aliada.

O que é inteligência emocional?

A inteligência emocional pode ser entendida como a capacidade de gerenciar as emoções, no sentido de alcançar os objetivos planejados. Com base neste conceito, é possível perceber a necessidade de aprender a lidar com fraquezas, limitações e restrições pessoais, a fim de atingir êxito em suas atividades. O autoconhecimento é essencial para esse processo de crescimento. Reconhecer as inseguranças e frustrações, as situações que provocam irritação, a dificuldade de comunicação e de construir relacionamentos é etapa fundamental para compreender quais fatores provocam as emoções e, assim, administrar melhor esses sentimentos.

A inteligência emocional diferencia os profissionais, pois garante um melhor rendimento, além de permitir a formação de equipes de alta performance e de ambientes harmoniosos e produtivos.

Como acontece o desenvolvimento da inteligência emocional?

O desenvolvimento da inteligência emocional deve contemplar cinco fatores principais, que são:

  • Autoconhecimento emocional: perceber os próprios sentimentos.
  • Controle emocional: capacidade de lidar com esses sentimentos, adequando-os às circunstâncias.
  • Automotivação: habilidade de valorizar e potencializar suas virtudes e competências.
  • Empatia: capacidade de reconhecer e interpretar de emoções em outras pessoas.
  • Construção de relacionamentos interpessoais: habilidade de estabelecer relacionamentos, trocar experiências, respeitar as diferenças e colaborar para a complementariedade das equipes.

A partir desse entendimento, o profissional passa a enxergar as virtudes, as qualidades, o know-how e o talento dos demais, percebendo que a coletividade é sempre mais produtiva, e que o individualismo não produz os melhores resultados.

Quais os benefícios da inteligência emocional?

A inteligência emocional é capaz de trazer uma série de benefícios aos profissionais que decidem desenvolver verdadeiramente essa competência. Dentre os aprendizados mais relevantes estão:

  • Gerenciar conflitos e pressões do dia a dia;
  • Ter uma comunicação mais transparente e eficiente;
  • Evitar discussões e competições desnecessárias;
  • Controlar impulsos e canalizar as emoções;
  • Persistir diante de obstáculos e desafios;
  • Desenvolver e manter relações profissionais, fortalecendo o networking;
  • Colaborar para um ambiente de trabalho mais integrado;
  • Tomar decisões com clareza, sem influência de sentimentos momentâneos;
  • Liderar equipes de forma eficiente, com foco em pessoas e metas.

Qual é a relação entre inteligência emocional e crescimento profissional?

É preciso lembrar que, por se tratar de uma competência comportamental, a inteligência emocional é requerida em todas as áreas de atuação, sendo muito útil em qualquer ambiente de trabalho, independentemente da capacitação, idade ou experiência anterior. Porém, sua importância é ainda maior em algumas situações específicas, como para cargos de liderança. Neste caso, várias práticas relacionadas à gestão precisam ser adotadas e o equilíbrio emocional se torna essencial na condução das equipes. Ou, ainda, para profissionais que atuam na área comercial, em contato direto com os clientes, onde os relacionamentos são peça-chave para vendas e conversões.

De qualquer maneira, a inteligência emocional é uma competência bastante requisitada pelo mercado, pois além da competitividade e dos desafios, há ainda muita pressão por metas e prazos, redução de custos, eliminação de falhas e otimização de processos. Por isso é fundamental que os profissionais saibam administrar essas condições agressivas com menos estresse, ansiedade e nervosismo. O gerenciamento das emoções permite uma visão mais ampla e estratégica, facilita a tomada de decisões, assegura uma comunicação pessoal eficiente e a correta execução das tarefas. Deste modo, o profissional se torna mais produtivo, tem melhor performance e, consequentemente, conquista o reconhecimento e as oportunidades de carreira almejadas.

A qualidade da comunicação é determinante para o rendimento das equipes e para sucesso dos negócios. E na sua opinião, quais outras competências são essenciais para o crescimento profissional? Comente!