7 maiores erros em apresentações corporativas

Com certeza você já experimentou assistir apresentações maçantes, confusas ou que traziam o conteúdo pouco relevante. Mas lembre-se da última apresentação corporativa que você viu e que foi capaz de lhe motivar, inspirar, além de ser informativa: você não gostaria de fazer algo deste nível? Mesmo a melhor apresentação pode ser destruída por um mal palestrante. Sendo assim, fique longe dos erros a seguir se você não quiser fracassar em sua apresentação corporativa!

Não ter bom planejamento e preparação

A preparação cuidadosa é essencial: ela ajuda memorizar bem o que há por dizer e a gerenciar seu nervosismo na hora de apresentar. De nada adianta saber falar bem e se comportar diante de uma plateia se você não é capaz de identificar as informações mais importantes que devem ser aprofundadas e aquilo que pode ser cortado ou abreviado em seu discurso.

Ignorar seu público

Estude bem como são as pessoas com quem você vai lidar na sua exposição oral: qual é a demanda, o que elas esperam encontrar na sua apresentação. Quando você iniciar a apresentação, faça uma breve introdução contando ao público a trajetória de seu discurso: o que você vai cobrir em primeiro lugar, quando haverá um intervalo, se haverá um período para questões ao final. Ao terem uma ideia aberta do que esperar, as pessoas poderão relaxar e se concentrar mais na sua apresentação.

Complicar o entendimento das pessoas

A não ser que você esteja entre um pessoal altamente especializado, usar muitos termos técnicos, siglas e palavras complexas vai afastar a atenção das pessoas e tornar sua apresentação complicada demais. O principal objetivo de uma apresentação é compartilhar informações com quem foi lá para vê-lo. Por isso, é importante averiguar o nível do conteúdo e a linguagem que você vai lançar à plateia.

Falar sem parar

Há diversos estudos de Psicologia e Neurologia que mostram que as pessoas só conseguem se concentrar em determinado assunto por sete a dez minutos. Portanto, sua apresentação deve ser enxuta, contendo no máximo vinte ou trinta minutos. E mesmo assim ela precisa abranger pausas. Você pode ainda segmentar a apresentação em trechos e inserir histórias, anedotas ou pequenos vídeos para relaxar e estimular a atenção do público.

Ler os slides ou outras representações gráficas ininterruptamente

Slides, tabelas, fotos e gráficos são material de apoio. Mas isso não significa que o orador deva se prender a esse material em vez de discursar abertamente para a audiência. Ao tirar os olhos por completo das pessoas e manter uma postura lateral ou de costas para a plateia, perde-se o vínculo com o público. É essencial ter profundo conhecimento do que será exposto e levar as informações ao público como se estivesse contando uma história, olhando o máximo de vezes para as pessoas. Encontrar o olhar de uma pessoa estabelece uma conexão pessoal e até mesmo uma rápida olhadela pode manter os expectadores envolvidos.

Não oferecer identidade com a marca ou empresa

Escolha o design e o conteúdo que sejam apropriados para o público. Um layout simples e sem muitos enfeites é melhor para apresentações corporativas. Além disso, deve-se falar de forma coerente com o ambiente, a forma de pensar e o *modus operandi *do lugar onde está: estude o que funciona e o que agrediria a identidade da marca ou empresa envolvida na apresentação.

Desprezar a linguagem corporal

É óbvio que o que vai ser dito é de extrema importância. Porém, a maneira como o conteúdo vai ser dito também é tão ou mais relevante do que as informações, entusiasmando a atenção e o registro na memória das pessoas. Portanto, nunca deixe de ter cuidado com o modo como está vestido, gesticulações, a forma de falar, o jeito como conduz o tempo e outros aspectos. Se você demonstrar falta de ânimo ou entusiasmo, por exemplo, isso será repassado à plateia.

E então, que tal deixar um comentário a seguir? E se você quiser mais informações produtivas sobre comunicação corporativa, conheça o mais.im!