Quais são os empregos dos sonhos para os jovens?

Sabemos quem são os jovens dos sonhos para as empresas: graduados, versáteis, sociáveis. Em um mercado competitivo, estas são algumas características primordiais para a contratação de novos funcionários. Ou, pelo menos, eram. Não que agora estes perfis não sejam valorizados, mas, atualmente, são as empresas que procuram se tornar um lugar para o emprego dos sonhos dos jovens.

A lógica parece ter sido invertida e os mais novos passaram a escolher onde querem trabalhar. Assim, ainda que esses jovens estejam cientes de que precisam se profissionalizar, eles sabem o retorno que querem de seus empregadores.

Mas o que os especialistas identificaram sobre o perfil destes jovens? Quais suas motivações e aspirações em relação aos seus objetivos profissionais?

Emprego dos sonhos

Estudantes e recém-formados afirmam que, para ganhar sua preferência, a empresa deve ter um perfil parecido tanto com dos seus funcionários, quanto dos seus clientes. Para eles, uma empresa madura e bem-sucedida não deveria se preocupar com horários rígidos, mas com a geração de resultados.

Por isso, o Google lidera os rankings nacionais e mundiais das empresas em que os jovens mais querem trabalhar. Encarar trabalho como prazer faz parte do perfil da empresa.

Segundo Yolanda Mangolini, diretora de programas de extensão para o Google, a realização de palestras e encontros sobre tecnologia nas áreas em que a empresa tem intenção de contratar é uma prática que não só mostra a realidade de trabalho da empresa, como disponibiliza informações relevantes para estes jovens.

Estabilidade e propósito

Para a líder global em employer branding, Universum, as agências governamentais como CIA, FBI e NASA aparecem também como empresas dos sonhos dos jovens. A gerente de projetos da Universum, Kasia Do, diz que estes órgãos dificilmente demitem seus funcionários, o que garante certa estabilidade aos empregados.

Além disso, Jon Picoult, da consultoria Watermark Consulting, acredita que esses órgãos do governo fomentam nos jovens a ideia de um propósito, dando a sensação de trabalhar enquanto faz a diferença no mundo.

Sentimento de liderança

Segundo pesquisa realizada pela Cia de Talentos, o objetivo de 67% dos jovens é conquistar um cargo de liderança. Por isso, se inspiram em empresários que admiram. Para eles, um líder deve inspirar, influenciar, ser visionário, possuir senso de justiça e assumir posturas éticas.

No ranking dos líderes brasileiros mais reverenciados por eles, estão nomes como Flávio Augusto da Silva, fundador da WiseUp, Jorge Paulo Lemann, um dos controladores da AmBev e Silvio Santos, proprietário da emissora SBT.

Já o ranking de nomes mundiais é liderado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama e, em segundo lugar, Flávio Augusto da Silva reaparece. Na terceira colocação, aparece Bill Gates, um dos fundadores da Microsoft, uma das empresas mais almejadas segundo a pesquisa da Universum.

Negócio próprio

Com o passar dos anos, o número de jovens que sonham com uma empresa específica tem caído significativamente. Para Maíra Habimorad, CEO da Cia de Talentos, a causa da queda possui duas motivações: a facilidade de pesquisar sobre a realidade das empresas na internet e a vontade de ter o próprio negócio.

O perfil dos jovens está mudando e, com isso, a dinâmica do mercado. Para não ser deixado de fora, é preciso desenvolver uma cultura organizacional capaz de englobar estas características. Os jovens têm se esforçado para atender as exigências do mercado. Agora, basta que o mercado atenda as exigências dos jovens também.

E a sua empresa? Já se adaptou às novas expectativas destes novos profissionais? Fale sobre suas experiências nos comentários!