Saiba como definir um orçamento de comunicação interna para a sua empresa

O cenário empresarial brasileiro está passando por diversas mudanças estruturais, principalmente no campo comunicacional. Atualmente, a pauta que está em alta é o desenvolvimento de relações mais humanas e horizontalizadas com clientes e colaboradores. Demanda que surge, na verdade, apontada pelo próprio mercado. As novas tecnologias, por exemplo, tem impulsionado uma verdadeira mudança de paradigmas sociais, que certamente refletem na dinâmica das organizações.

Diante dessas intensas transformações muitos empreendedores têm reavaliado suas políticas de comunicação interna e externa. Não é à toa que, segundo a última pesquisa realizada pela ABERJE (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial) sobre o tema, cerca de 70% das empresas revelaram que a comunicação interna é um dos setores mais estratégicos para o desenvolvimento de uma corporação, resultado inimaginável, por exemplo, há dez anos.

Por ser um investimento tão importante, resolvemos trazer nesse post algumas dicas para que a gestão do seu empreendimento elabore um orçamento realista para o desenvolvimento da comunicação interna da sua empresa. Confira!

Defina canais de comunicação mais enxutos

“Quanto mais, melhor” é um pensamento bastante questionável quando o assunto diz respeito aos meios de comunicação interna. Além de sair mais cara, a ideia de disponibilizar o máximo de canais possíveis para esse contato entre colaboradores e líderes será improdutiva. Além disso, facilitará ruídos e a proliferação de desinformações – já que o controle total desses canais será dificultado.

Por isso, é bem mais interessante focar em um canal unificado para promover a comunicação de forma efetiva. Vale ressaltar que em recente congresso promovido pela ABERJE, diversas empresas de grande porte tiveram a oportunidade de mostrar seus cases de comunicação interna. A Petrobrás, por exemplo, aposta na criação de fóruns e no desenvolvimento dos líderes como verdadeiros porta-vozes da cúpula da empresa. O mais importante, então, é procurar aprimorar um modelo comunicacional que seja completo e atenda todas as suas necessidades.

Analise os investimentos anteriores

Claro que, em muitos dos casos, a necessidade de se realizar novos investimentos em comunicação é uma realidade. Por isso, uma boa estratégia para que a gestão não faça gastos desnecessários é estudar o orçamento investido no ano anterior, analisando os resultados obtidos com ele. Portanto, é preciso analisar e identificar, por exemplo, quais foram as ferramentas e estratégias que não deram retorno dentro de todo o capital investido. Desta forma, você estará apenas redirecionando a verba sem necessariamente aumentar o investimento no setor. Isso será válido, inclusive, para que você repense a própria dinâmica da sua comunicação interna.

Foque totalmente no capital humano

Não simplificar suas redes e plataformas de comunicação se tornará um peso a mais também quando você tiver que investir em pessoas. É importante lembrar que, na verdade, as bases da comunicação interna de uma empresa são criadas principalmente através de processos, não apenas de recursos.

Por isso, de nada adiantará você contar com inúmeras plataformas comunicacionais, se os líderes e colaboradores não estiverem treinados para usá-las adequadamente. Por isso, é fundamental que você dê prioridade ao capital humano. Procure um sistema que seja simplificado para implementação e uso e invista pesado em treinamento. Afinal, para haver comunicação eficiente, é preciso que haja pessoas bem preparadas.

Para você, quais são os principais investimentos que devem ser feitos na área de comunicação interna? Deixe aqui seu comentário.